Motivação...

Seja bem-vindo(a) ao meu blog

Aproveite os textos e tenha uma ótima leitura. Não esqueça de deixar um comentário se achar conveniente, seja para criticar, elogiar ou fazer algum reparo no conteúdo. Em qualquer caso, estará enriquecendo o blog e deixando mais informações para as pessoas que o acessam.

SIGAM-ME OS BONS

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Dor no peito: e agora,o que fazer?

  Motivos mais frequentes de dor no peito

 Um dos motivos frequentes que levam uma pessoa a buscar ajuda médica é a dor torácica (dor no peito). Os pacientes muitas vezes chegam aflitos e ansiosos ao atendimento, pois conhecem a possível relação entre dor no peito e doenças cardiológicas, ou conhecem a história de alguém que teve dor e faleceu abruptamente.

 

Avaliação das causas da dor no peito

 

Na avaliação inicialmente são verificados os dados individuais do paciente considerando idade, sexo, co-morbidades (doenças associadas, como gastrite ou esofagite), histórico clínico (antecedentes familiares de doenças), tabagismo, atividade física, alimentação e nível de estresse. Pessoas submetidas diariamente a situações de estresse extremo, ansiedade, angústia ou depressão, podem ter a dor no peito.
Há casos também que a dor no peito é provocada por excesso de treino. É o caso de esportistas que treinam muito pesado, sem preparo físico ou acompanhamento.


Toda dor no peito deve ser investigada

 

Como a incidência de doenças do aparelho cardiovascular é bastante elevada, e sua morbi-mortalidade idem; torna-se fundamental a exclusão de isquemia miocárdica como desencadeante da queixa. Portanto, toda dor no peito deve ser investigada. Seja por se tratar de situação com risco de vida eminente, seja pelo desconforto físico e emocional que causa.
A obstrução coronariana tem na angina estável sua principal característica clínica, representando a manifestação inicial de 50% dos pacientes.


A abordagem do paciente com dor no peito

 

Ela deve ser feita de acordo com as seguintes etapas:
  • Classificar a dor torácica (angina típica, atípica ou não cardíaca);
  • Estimar a probabilidade de obstrução coronariana significativa;
  • Apresentação clínica da doença arterial coronariana (angina estável ou instável);
  • Estimar a graduação da angina (I, II, III ou IV) conforme a Sociedade Canadense de Cardiologia).
  • Ressaltamos ainda que a dor no peito pode ter outras causas, como descrito na tabela abaixo: 

    Diagnóstico diferencial da doença arterial coronária em pacientes com dor no peito

     

    Sistemas   Etiologias 
    Cardiovascular: Estenose aórtica, cardiomiopatia hipertrófica,  hipertensão arterial sistêmica (pressão alta), espasmo coronário, aneurisma dissecante da aorta, pericardite.
     Pulmonar: Embolia, pleurite, pneumonia, pneumotórax.
    Gastrointestinal: Esofagite, espasmo de esôfago, gastrite, úlcera péptica, pancreatite, colecistite, hepatopatias.
    Tórax: Osteocondrites, herpes zoster, fratura de costela.
    Psíquicas: Distúrbios de ansiedade, pânico, hiperventilação.

     

    Dor no peito? Consulte um médico

    Concluindo, como as possibilidades são várias, em caso de dúvida nunca é demais consultar seu médico. Fonte de Pesquisa:  Tratado de Cardiologia Socesp  2004 - 2005  Leia também: Hipertensão arterial.sistêmica. Dor no peito: e agora?
    "A felicidade consiste em três pontos: trabalho, paz e saúde".
    (Abílio Guerra Junqueiro)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça aqui seu comentário, aceito críticas e sugestões. Ficarei super feliz pelo simples fato de você ter comentado.

Redes Sociais

Slide de Postagens Recentes

VISITAS RECENTES

Receba minhas postagens em seu Email