Motivação...

Seja bem-vindo(a) ao meu blog

Aproveite os textos e tenha uma ótima leitura. Não esqueça de deixar um comentário se achar conveniente, seja para criticar, elogiar ou fazer algum reparo no conteúdo. Em qualquer caso, estará enriquecendo o blog e deixando mais informações para as pessoas que o acessam.

SIGAM-ME OS BONS

sábado, 31 de janeiro de 2009

A virtude de não enviar

O e-mail pode ter agilizado a nossa rotina mas pode ser também uma espécie de parente distante que resolve aparecer à sua porta sem aviso prévio. Ninguém está preparado para lidar diariamente com a enxurrada de parentes.

Quem não tem sua pequena coleção de correspondentes convencidos de que merecem a sua atenção urgente para qualquer piada, inclusive as de mau gosto, qualquer divagação ou a enésima denúncia de que os americanos já redesenharam o mapa da Amazônia brasileira, prestes a ser ocupada pelo Tio Sam?

Como o telefonema envolve um engajamento e uma cara-de-pau maiores e é fácil para o afligido deixar a secretária eletrônica pegar qualquer ligação, o e-mail proporcionou o estouro da boiada e torna um inferno potencial a vida de quem depende de ficar on-line em tempo integral para trabalhar.

Um número limitado de pessoas tem seu telefone pessoal, mas qualquer esperto pode obter seu endereço eletrônico. Assim, um dia de trabalho hoje envolve uma constante negociação na vala comum dos remetentes ― amigos, interlocutores profissionais necessários, desocupados a distribuir mensagens coletivas com denúncias, abaixo-assinados e gracinhas, pedidos de favores e até estranhos grosseiros, acobertados pela distância.

É natural que uma mídia recente como o e-mail produza excessos e desafie as normas de etiqueta que governam outras formas de comunicação. Aqui vai uma tentativa modesta de promover a civilidade e encontrar algum equilíbrio entre as vantagens da comunicação on-line e o enorme desperdício de energia que ela trouxe para a nossa rotina.

Sei que os jovens que crescem com mensagens de texto, MSN,Orkut, Twitter e outros recursos de benefício duvidoso não esperam tanto das boas maneiras cibernéticas. Mas a juventude ocupa menos de um quarto da nossa expectativa de vida e nada mais embaraçoso do que um adulto com modos de adolescente.

Mensagens coletivas em geral

É melhor limitar o número de mensagens enviadas a mais de uma pessoa. Se o objetivo é marcar um jantar com cinco amigos, justifica-se copiar a mensagem. Quem volta de férias e quer contar suas aventuras com cópia para várias pessoas, deve saber que uma delas pode achar "o press release" uma indelicadeza. Ninguém se considera apenas um item numa mailing list.

Arquivos anexados

Quando se quer mandar dados não solicitados para amigos ou profissionais, por que não evitar passar dever de casa para eles? Coloque a informação dentro do corpo da mensagem e não torture os outros que possuem computadores e softwares diversos com arquivos que não podem ser baixados.

Gracinhas e manifestos

Quem está concentrado ao computador, tentando resolver problemas ou em busca de inspiração para escrever, detesta ser constantemente distraído por piadas e vídeos pueris postados no YouTube. Mande suas piadas e brincadeiras apenas para os amigos mais próximos, aqueles que não estão sob a pressão constante de prazos de entrega de trabalho ou que podem ignorar a mensagem para abri-la mais tarde. Evite também os manifestos, e-mails coletivos que denunciam uma injustiça local ou internacional. Lembre-se que a sua indignação não é desculpa para incomodar e interromper a rotina dos conhecidos. Quando amigos recebem mensagens suas, vão abri-las como se fossem comunicações pessoais e não uma denúncia do Greenpeace.

Assunto (Subject)

Quem precisa concluir uma tarefa ou quer apressar a comunicação, deve sempre preencher a lacuna do assunto ("subject"). Use palavras precisas ― "pedido de entrevista para hoje, segunda-feira", "dúvida sobre x ou y" ― e vá mudando as palavras do assunto/subject à medida que a correspondência progredir, para o recipiente entender que há uma informação nova.

Pessoal x Profissional

Se a comunicação por e-mail ou mensagem de texto derrubou fronteiras entre o que é estritamente pessoal e profissional, não se justifica abusar da boa vontade de amigos com um fluxo excessivo de mensagens. Não se iluda ― a relativa informalidade do meio não lhe dá carta branca para tratar de um assunto de trabalho com um excesso de irreverência que pode se voltar contra o remetente, caso algo errado aconteça.

Favores

Quem precisa de um favor, antes de enviar o e-mail pode fazer o teste: eu teria coragem de pedir o mesmo em pessoa ou por telefone? Se a resposta for "não", pense duas vezes antes de ir em frente.

Dialetos

Aqui é a questão de geração. Nem todos têm obrigação de saber que "u" substitui you ("você"), ou que "LOL" quer dizer laughing out loud ("às gargalhadas"). Para os mais jovens, as abreviações usadas em mensagens de celulares são rotina. Mas, ao escrever uma carta de seu computador, não há justificativa para vulgarizar o texto com abreviações, não importa a sua idade.

Limites

Cuidado ao transferir toda interação pessoal para a internet. Há pessoas que trabalham com assistentes que têm acesso à sua caixa postal eletrônica. É mais prático mandar uma frase curta por e-mail, a qualquer hora do dia, para obter uma resposta simples, sem incomodar. Mas avalie se o assunto é rotineiro. Conversas sobre questões delicadas merecem contato pessoal ou por telefone. Da mesma forma, se o seu endereço eletrônico pessoal é acessado por outras pessoas, deixe isto bem claro para o remetente não se expor sem saber.

Discórdia

Se uma pessoa lhe irritar por qualquer telefone, e-mail ou num encontro, evite dar o troco por escrito pela internet. E-mails enviados sob o impacto emocional podem ser guardados por anos e ampliar desnecessariamente um conflito. O comando "enviar" é uma arma poderosa e imprevisível. Uma carta que seguiria pelo correio postal seria escrita com muito mais cuidado. Segure a mágoa e a indignação e espere uma oportunidade melhor do que o acerto de contas por e-mail. A sugestão vale igualmente para disputas de trabalho, romances, brigas de família.

Privacidade

Considere a mensagem por e-mail um gesto de contato semelhante a um telefonema ou uma visita a alguém. O gesto consome o tempo do recipiente e, o fato de o remetente estar protegido da reação não justifica usar o tempo dos outros à toa. Da mesma forma, quem recebe e-mail respeitoso ou justificado, não deve se esconder e fingir que não recebeu. A não ser por filtros excessivos de spam, as mensagens chegam ou são devolvidas ao destinatário. É mais fácil enviar uma resposta rápida dizendo que não tem tempo de tratar do assunto no momento ou não pode ajudar, do que provocar mágoas e mal-entendidos. A resposta imediata, ainda que curta e insatisfatória, é sua melhor aliada na luta diária contra a enchente de mensagens.

Diferenças

A democratização permitida pela internet não significa que todos os recipientes são iguais perante o remetente. Se você conseguiu o endereço eletrônico de alguém famoso ou de um profissional que tem grandes responsabilidades, um servidor público ou um dirigente de empresa, não tente usar um acesso que não lhe foi oferecido, disparando opiniões não solicitadas. O típico profissional com muitas responsabilidades já enfrenta um fluxo enorme de mensagens. Tirar casquinha do prestígio dos outros tentando forjar uma relação que não seria formada no mundo real é um hábito crasso. Se você é o assediado em questão, colecione algumas frases educadas que ajudem os chatos a se mancar. Não é grosseria deixar sem resposta e-mails frívolos de um remetente que já recebeu uma mensagem sua encerrando a conversa com educação.

Cartões eletrônicos

Não mande um cartão de Natal, Ano Novo ou sobre qualquer outra efeméride com uma foto de seu bebê ou seu animal de estimação para dezenas de pessoas com quem mantém relações distintas. Para alguns, a mensagem dá a impressão do contato impessoal e de exibicionismo.

Ciberdoidos

Nada impede que uma pessoa desequilibrada publique suas obsessões on-line. Se o seu trabalho traz alguma visibilidade, de vez em quando é bom se "googlar". Há blogs, comunidades e outros sites que podem conter fotos da sua família e todo tipo de alegações. Uma troca inocente de mensagens com um estranho pode ser a origem da baixaria.

Sites e blogs

Um território que ainda conheço mal. Como tantos estão em busca de atenção, uma boa parte da correspondência dirigida aos titulares de sites e blogs destina-se a promover o conteúdo do próprio remetente ("leia mais sobre isto no meu blog"). Um comentário colocado abaixo de uma reportagem às vezes nada mais é do que desculpa para plantar o seu link no meio da discussão. É uma forma de autopromoção tão chata quanto o gesto do colega de trabalho que lhe encurrala no corredor com uma série interminável de fotos do seu recém-nascido. Cada site ou blog reflete a visão editorial do titular e o espaço para comentário não é uma democracia. É um convite a continuar a conversa, dentro de parâmetros arbitrários ― texto correto, sensatez, cordialidade ― estabelecidos por quem coloca o site no ar.

Insultos e ameaças

Cada vez que respondo com educação um e-mail muito crítico mas civilizado, na grande maioria dos casos, a resposta vem se desmanchando de desculpas. No momento em que a pessoa percebe que há um ser humano real do outro lado, sente-se envergonhada do próprio destempero.

Espero que as principais empresas de mídia acabem com o populismo de considerar todos iguais on-line ou de proteger a identidade de sociopatas. Um jornalista experiente, criterioso e ético no seu trabalho de reportagem fez por merecer o lugar que ocupa. Não deve ter sua produção achincalhada e dividir espaço com mentecaptos, coléricos e exibicionistas. Respeito é bom e todo mundo gosta.

Por isso, o melhor método é mesmo, em dúvida, não apertar o "enviar".

fp: luciaguimaraes.com

3 comentários:

  1. sabe que concordo com você? É necessaria uma ética da internet e vc já formulou varios itens.Obrigada pelo comentario no meu blog, infelizmente não sou da época dos games, mas vc deveria usar o tema já que nasceu c/ ele. bjs

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o seu post. Excelente mesmo.
    Quando falamos em etiqueta, seja social, profissional, a dois, ou em que área seja, muitos riem e nos chamam de antigos, antiguados, mas, sem ela, meu querido, estamos perdidos. Ninguém respeita ninguém, ninguém ouve o que o outro fala e daí em diante.
    E na internet sim, há que ter etiqueta. Etiqueta é o cuidado que temos que ter em não invadir o espaço alheio.
    Parabéns.
    ABÇão

    ResponderExcluir
  3. Poderia abrir um cometario aqui que renderia horas de digitação, mas resumo em palavras. EAD e Mduval, pensem duas vezes antes de fazer qualque cosa na NET ao menos que saibam o que estao fazendo ou conheçam a fonte.
    Quanto ao tema GAME, stou pensando, vc quer me ajudar, EAD? que tal. e ai ja esta participando da corrente?

    Um abraço

    ResponderExcluir

Faça aqui seu comentário, aceito críticas e sugestões. Ficarei super feliz pelo simples fato de você ter comentado.

Redes Sociais

Slide de Postagens Recentes

VISITAS RECENTES

Receba minhas postagens em seu Email